Você está aqui: Página Inicial > Contents > Menu > Extensão

Extensão

por danielrocha publicado 28/04/2016 11h55, última modificação 24/08/2018 13h29

Assessoria de extensão

Profa. Dra. Elisângela Afonso de M. Mendonça

Projetos de extensão 2018

 

PROJETO: Uso do Xadrez como ferramenta didática

COORDENADOR(A): Edson Luiz Folador

ALUNO(A) BOLSISTA: Gustavo De Figueiredo

RESUMO: O jogo do xadrez surgiu na Índia por volta do século VI d.C. e sofreu diversas modificações até chegar no formato e regras contemporâneas. O jogo de xadrez exige que os jogadores exercitem habilidades como concentração, raciocínio lógico, estratégia e memorização. Por não ser um jogo individual também exercita habilidades socioafetivas, podendo aumentar a autoestima e autoconfiança dos jogadores. Devido a estas características, além de poder auxiliar na prevenção de déficit de atenção, hiperatividade e Alzheimer, o jogo de xadrez têm sido estudado e aplicado como ferramenta para melhorar o rendimento escolar, justificado pelo exercício, a longo prazo, de forma descontraída e sociável, de todo um conjunto de habilidades também necessários ao desenvolvimento de atividades acadêmicas. Por outro lado, a avaliação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) em 2015 apontou 91% das unidades públicas com desempenho abaixo da média nacional, sendo 99% no estado da Paraíba. Assim, acreditamos que o exercício continuado e voluntário (não obrigatório) do jogo do xadrez na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), contribua para melhorar o desempenho acadêmico dos alunos participantes do projeto e seja possível formar replicadores para que em futuras edições sejam inclusos os alunos de escolas públicas de João Pessoa-PB. Este foi um projeto que os avaliadores e demais participantes da apresentação em formato de tertúlia 2017 manifestaram interesse em participar e divulgar nos respectivos departamentos

PROJETO: Produtos de higiene a partir da reciclagem de óleo de cozinha: Ano 2

COORDENADOR(A): Elisangela Afonso De Moura Mendonca

ALUNO(A) BOLSISTA: Luana Bitu Viana

RESUMO: A conscientização ambiental tem conseguido força nos últimos tempos, principalmente numa época onde existe um grande debate sobre o aquecimento global. O óleo de cozinha é utilizado há muitos anos, mas apenas para atividades alimentícias. Por ter uma grande demanda, gera uma quantidade de resíduo significativo e por falta de informação é jogado no meio ambiente sem grandes preocupações, contaminando rios e mares. Neste sentido, esse projeto vislumbra para além da educação ambiental com informações sobre a melhor forma de tratar e jogar esse resíduo, um contexto de sustentabilidade e melhoria da qualidade de vida da comunidade em geral. A metodologia de preparação do sabão caseiro não é novidade, existem várias receitas na internet ensinando a fazer essa fabricação. Porém, o projeto tem a preocupação, no entanto, de melhorar a qualidade dessas receitas caseiras, no que se refere ao pH, onde percebe-se que nos métodos tradicionais, o mesmo pode chegar a 12-14, isso implica em problemas para a saúde de quem está utilizando este sabão. Em laboratório, após vários testes, conseguimos alcançar o pH 9 utilizando ácido cítrico, além de outros constituintes como o limão triturado. Desta forma, pretende-se levar para a comunidade um protocolo de preparação de sabão caseiro adequado, que possa ser utilizado para limpeza em geral e desta forma diminuir o gasto com os produtos de limpeza. Além de aumentar a renda dos que vierem a aprender a preparar o sabão, promovendo empreendedorismo, sustentabilidade e cidadania para essa comunidade.         

PROJETO: Novo Grupo de Risco nas Infecções Sexualmente Transmissíveis: Geração De’Z’Informada           

COORDENADOR(A): Sildivane Valcacia Silva

AUNO(A) BOLSISTA: Ivanilton Goncalves Da Silva

RESUMO: A geração Z é a classificação dos nascidos a partir dos anos 90, geração considerada em interação equilibrada entre indivíduo e tecnologia, ou seja, as pessoas nascidas nesta geração estão conectadas e interligadas e não conhecem a sociedade sem a internet. Os adolescentes desta geração são classificados como pessoas que estimam a velocidade da comunicação, ignoram distância e são indiferentes a questões limitantes, como preconceito e tradição. Este novo comportamento gera impacto significativo nas suas relações, principalmente nas relações mais íntimas, que costumam ser fugazes e sem envolvimento a longo prazo. Esta mudança na comunidade jovem tem sido observada nos índices de saúde no Brasil. O aumento das infecções sexualmente transmissíveis entre os anos de 2012 a 2017 entre jovens é constatado e reflete a necessidade de abordagens educativas sobre temas até então considerados como tabus, como a sexualidade na adolescência, a importância da prevenção na troca de fluidos sexuais e a procura ao sistema único de saúde quando identificada a condição de vulnerabilidade após a exposição ao sexo sem prevenção. Uma linguagem mais próxima aos jovens, respeitando a sua individualidade e os seus pudores deve ser considerada. Desta forma, o objetivo deste projeto é atuar como promotor de saúde, divulgando os números impactantes das infecções sexualmente no território brasileiro e explicitando as formas de prevenção e cuidados à saúde de adolescentes situados na cidade de João Pessoa.            

PROJETO: Ações De Educação E Saúde Ambiental Com Criadores De Animais Da Comunidade São Rafael

COORDENADOR(A): Ulrich Vasconcelos Da Rocha Gomes

ALUNO(A) BOLSISTA: José Natanael Tavares Da Silva

RESUMO: O ambiente compreende conjunto das substâncias, circunstâncias ou condições, integradas de forma que organismos vivos desempenhem seus nichos. Neste cenário, o homem é parte importante, uma vez que representa o principal ator dos impactos e desequilíbrios que venham ocorrer, os quais implicam diretamente na sua saúde e bem-estar. Este projeto tem por objetivo dar continuidade, em seu terceiro ano, as atividades de educação e saúde ambiental com criadores de animais, residentes na Comunidade São Rafael. As ações envolvem atividades de cuidado com água e alimentação destinada aos animais, bem como análises microbiológicas e atualização do censo da população. Todas as atividades visam observar os pontos de mudança a partir dos resultados obtidos anteriormente, atuar de forma mais enérgica sobre a questão do especismo, bem como avaliar a qualidade de águas e alimentos oferecidos aos animais, como ponto de partida para as novas ações de educação e saúde ambiental a serem desenvolvidas. Espera-se que a saúde dos animais venha ser preservada e consequentemente a de seus criadores, que deles utilizam para consumo, transporte ou meio de subsistência.